Tag

Imóveis de Luxo

Imóveis

Londres terá apartamentos de luxo com a assinatura Mercedes-Benz

A montadora alemã Mercedes-Benz em parceria com a Fraser Hospitality Group anunciou o lançamento de apartamentos inspirados na marca que é uma das mais tradicionais e luxuosas do mercado de automóveis. O projeto “Mercedes-Benz Living, London” estará disponível já a partir do próximo mês, na capital inglesa. Algumas fontes calculam que a diária ficará em torno de R$ 2,4 mil.Leia mais

Imóveis

Imóveis de luxo com assinaturas de grife passam longe da crise no Brasil

Apesar da crise que o Brasil atravessa, o mercado de bens e produtos de luxo parece mesmo estar, até o momento, imune a esse cenário negativo. No segmento de imóveis de altíssimo padrão podemos notar não apenas a criação de novos empreendimentos, mas, principalmente, opções inovadoras e associadas a designers famosos e prestigiosos.

A Cyrela, uma das gigantes do setor, é prova disso. Apesar de seu último balanço geral Leia mais

Imóveis

Idea!Zarvos lança imóvel de luxo em Higienópolis, São Paulo

A Idea!Zarvos, ícone da arquitetura contemporânea e conhecida por apostar na estética e na busca por soluções urbanísticas e sustentáveis na construção de prédios únicos na região da Vila Madalena (São Paulo) , lança seu primeiro imóvel no bairro de Higienópolis.

Com apenas 6 unidades, todas duplex, com áreas a partir de 300m², sala de estar com pé-direito duplo e planta totalmente flexível, o Itacolomi 445 fica na rua Itacolomi, entre as ruas Alagoas e Sergipe, local Leia mais

Imóveis, Mercado de Luxo, Negócios do Luxo

Viver em Cingapura pode ser uma experiência extraordinária

Por Ricardo Ojeda Marins (Artigo publicado no site Gestão do Luxo da FAAP)

Imóveis de alto luxo na região chegam a valer até US$ 22 milhões

Segundo recente pesquisa publicada pelo Boston Consulting Group, Cingapura tem a maior densidade de milionários que qualquer outro país no mundo. O país ocupa o 18º lugar na lista de países em termos de concentração de milionários. À primeira vista pode parecer estranho, mas pesquisando mais profundamente, torna-se claro que não apenas a economia de Cingapura foi resistente em tempos de dificuldade econômica, como o país também tomou medidas importantes para se tornar um ótimo lugar para trabalhar e viver. Outra razão para o seu sucesso explica-se pelo seu mercado ferozmente competitivo. A edição 2010 do Anuário de Competitividade Mundial publicada em Maio, que demonstra como as nações emergentes e industrializadas estão gerenciando seus governos, empresas e infra-estrutura, classificou Cingapura como a nação mais competitiva do mundo, seguida por Hong Kong. Esta foi a primeira vez em décadas que os dois países ultrapassaram os Estados Unidos, que costumavam manter a liderança e agora aparecem em terceiro lugar.

Sendo um país em galopante crescimento, seu mercado de imóveis de luxo foi um dos mais destacados. Como 85% de seu mercado residencial é composto por unidades construídas pelo governo, apenas 15% representam o setor privado, subdividido em condomínios e casas de classe baixa e média, bem como imóveis considerados de alto luxo. Portanto, menos de 5% das propriedades englobam a categoria high-end (de alta qualidade).

Há uma conhecida preocupação do governo para que não haja um superaquecimento do mercado residencial de massa, procurando mantê-lo dentro da faixa de preço e disponibilidade da população. Mas esta ação não tem a menor ligação com o mercado de luxo e nem qualquer relevância ou impacto sobre os preços de unidades em áreas nobres como os distritos 9 e 10 ou regiões como Marina Bay e Sentosa. O aumento de preços nessas regiões é a menor das suas preocupações, especialmente porque os moradores destas áreas prestigiosas são milionários e, além disso muitos, se não a maioria dos compradores no segmento de luxo são estrangeiros que adquirem imóveis para investimento ou até mesmo para moradia e lazer. Para o governo, os preços dos imóveis de alto valor agregado não são necessariamente indicações de uma possível bolha imobiliária e nem prejudicam o mercado de massa. Os preços super elevados dos bens imóveis de luxo são geralmente um sinal positivo de investidores do mundo colocando seu capital nesse mercado, reflexo de sua confiança nele.

Um dos mais recentes lançamentos de alto luxo é o condomínio Kasara The Lake, situado na ilha de Sentosa, composto por 13 villas, de 5 ou 6 quartos, avaliadas entre US$ 14 e US$ 22 milhões. São luxuosas residências situadas em área nobre e com vista para o lago e um invejável campo de golf. As cozinhas foram projetadas pelo designer Antonio Citterio, reconhecido mundialmente e que participou dos projetos do Hotel Bulgari de Milão e Bali. O lugar ideal para aliar conforto e relaxamento sem perder a sofisticação. Tudo isso muito próximo à maior marina de Cingapura e a apenas 10 minutos do centro financeiro da cidade. O empreendimento é do grupo YTL, com sede na Malásia, que também atua com projetos de hotelaria e varejo de luxo. Moradores de Cingapura bem como de outros países asiáticos e europeus foram alguns dos privilegiados compradores dessas villas.

O mercado de imóveis comerciais também vive um ótimo momento. A Orchard Road, uma das principais ruas do comércio de luxo local, foi considerada a 27ª rua de varejo mais cara do mundo, de acordo com a Colliers International, consultoria especializada no segmento imobiliário.

Segundo a empresa, para o aluguel de um ponto comercial ali, desembolsa-se, em média, a partir de US$ 330 o metro quadrado. O segmento de hotelaria também vem recebendo altos investimentos. Prova disso é o Marina Bay Sands, um resort de alto luxo, com 55 andares, restaurantes pilotados por renomados chefs, museus, cassino e famoso por sua impressionante piscina de 150 metros de comprimento que chega a dar a impressão de extravasar o horizonte. Esse empreendimento está representando um crescimento marcante para o turismo na cidade.

De acordo com estrategistas do banco suíço UBS, preços de imóveis das classes baixa e média devem permanecer sem aumento, pelo menos nos próximos 12 meses. “Imóveis de luxo situados em Sentosa, Nassim Road e Ardmore Park, onde o metro quadrado em condomínios ultrapassa US$ 3 mil, podem ter a partir de agora até o final do ano, uma valorização de 5 a 8% dos preços”, disse Kelvin Tay, estrategista chefe de investimentos do UBS de Cingapura. “O governo não tem interesse em controlar o mercado imobiliário de alto padrão, ao contrario do que faz com o mercado residencial baixo e médio”, diz ainda Tay.

Tendo a Ásia o mais rápido crescimento do número de população milionária no mundo, Cingapura destaca-se como um dos principais epicentros de operações econômicas e investimentos em geral. Muitos asiáticos e europeus com alto poder aquisitivo e investidores, possivelmente desiludidos com o desempenho de seus bancos, estão se direcionando confiantes ao investimento no mercado imobiliário.

Imóveis

Mercado de imóveis de alto luxo no Nordeste do Brasil vive o seu melhor momento

Imóveis avaliados em milhões de reais mostram um novo retrato da riqueza da região.

Beleza natural, praias magníficas, sol e um clima propício a férias fazem da região Nordeste do Brasil, um dos ícones do turismo, atração para brasileiros e estrangeiros. Além do sucesso no turismo, a região vive um momento de comemoração em outro segmento: o de imóveis, que não se desaqueceu nem durante a crise. O mercado imobiliário de segunda residência de luxo – casas e apartamentos em resorts ou imóveis de veraneio – poderá viver um boom nas próximas décadas. De acordo com a ADIT Nordeste (Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Nordeste), há uma previsão de que cerca de 7.200 novas unidades fiquem prontas até 2014. Segundo pesquisa da Itacaré Capital Partners – empresa gestora de fundos de private equity – estrangeiros, principalmente os europeus, representam boa parte desse público, já que adquirem residências no Nordeste não apenas para usufruírem como turistas, mas também como forma de investimento, com expectativa de valorização imobiliária. “O preço por metro quadrado no Brasil é um dos mais baratos e tem ainda uma grande capacidade de valorização”, diz Pedro Miranda, sócio-diretor da Itacaré.

Dentre diversos empreendimentos imobiliários da região, vale destacar o Reserva do Paiva, que fica no Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, a apenas 14 quilômetros do Aeroporto Internacional de Recife, junto a uma área da Mata Atlântica e diante de aproximadamente nove quilômetros de praia. Ele representa um novo retrato da riqueza desse mercado, com imóveis avaliados em milhões de reais e que são alvo de desejo do consumidor de alto poder aquisitivo. Foram investidos cerca de R$ 120 milhões pelos sócios do empreendimento. Inicialmente, a primeira fase do Reserva do Paiva esperava atingir futuros compradores europeus em busca de segunda moradia em lugares paradisíacos da região e que já alimentavam o turismo local. Investidores da Itália, Portugal e Espanha eram os de maior relevância para a empresa. Porém, com a crise que abalou principalmente a Europa e os Estados Unidos, os endinheirados do primeiro mundo tornaram-se escassos por ali. Por outro lado, a economia brasileira reagiu rapidamente aos impactos da crise mundial. Os negócios no Nordeste, que já iam bem, ficaram melhores ainda e 80% dos proprietários são pernambucanos que adquiriram o imóvel como moradia principal.

A primeira etapa do projeto é o Condomínio Morada da Península, composto por 67 casas, sendo 36 delas a beira-mar e 31 com vista para o mar, projetadas por arquitetos renomados como Henri Fournier, Acácio Gil Borsoi, Luiz Américo Gaudenzi, entre outros. Além de serviços básicos, o luxuoso condomínio busca proporcionar a seus moradores o máximo conforto e bem-estar com requinte, oferecendo spa, aulas de ioga, personal training, concierge, campo de golf, serviço de bar na área da piscina, entre outros.

Na planta, as casas, que foram customizadas pelos proprietários, custavam entre R$ 1,5 milhão e R$ 4 milhões, conforme a metragem e localização. Já no momento em que ocorreu a entrega das chaves das primeiras unidades, algumas delas foram avaliadas em R$ 7 milhões. A próxima etapa do projeto prevê o lançamento do condomínio Vila dos Corais, composto por seis edifícios residenciais com um total de 132 apartamentos, cujas áreas variam entre 237 e 491 metros quadrados, todos com vista para o mar e para a Mata Atlântica, e preços a partir de R$ 1,48 milhão, podendo chegar a R$ 3,4 milhões.

O Reserva do Paiva pretende ser no futuro um complexo residencial, hoteleiro, de lazer e turismo, tendo projetado ainda um centro comercial e empresarial, além de uma escola. Os investidores almejam ainda que o empreendimento seja um diferencial de hospedagem para participantes da Copa de 2014. Recife é uma das cidades que sediará parte dos jogos. O empreendimento ainda mostra uma preocupação com ações de responsabilidade social. Possui um compromisso formal de sustentabilidade desenvolvido para seus moradores, visitantes, trabalhadores, comunidades da região e todos os parceiros envolvidos. Seu comprometimento com o luxo sustentável está também presente nos detalhes: energia solar e uso de madeira de reflorestamento e certificada. Estão previstos ainda área para captação e reutilização de água da chuva, coleta seletiva de lixo e estação de tratamento de esgoto. Uma recém-construída ponte com pedágio dá acesso a esse verdadeiro oásis, com assistência 24 horas e vigilância eletrônica. “Projetamos um destino residencial e turístico de alto luxo, com infraestrutura e serviços do mais elevado padrão mundial”, diz Ruy Rego, da Odebrecht.

“Durante anos, o turismo foi a principal fonte de renda para o litoral nordestino e a atividade ainda é importante, mas agora podemos notar que o que mais alimenta a sua economia são os negócios: a instalação de novas empresas, o número relevante de executivos e os investimentos em locais como Cabo de Santo Agostinho”, diz Djean Cruz, diretor de incorporação da Odebrecht no Nordeste. Prova desse sucesso é que imobiliárias internacionais já estão de olho no potencial do mercado brasileiro. A britânica Sotheby’s International, renomada casa de leilão de peças raras e corretora focada em imóveis de alto luxo, possui nove unidades na América do Sul, sendo sete delas no Brasil. Duas de suas unidades estão em cidades nordestinas, como Recife e Natal. Também focando o consumidor classe AAA, a americana Christie’s Great Estates elegeu a In’s Brasil, com sede em Fortaleza, como sua filiada no Brasil para atender aos Estados do Ceará, Piauí, Maranhão e Pará e também possui afiliados em outras regiões brasileiras, como a renomada Coelho da Fonseca, em São Paulo, entre outros.

Todas as camadas da população estão tendo aumento na renda, o que possibilita um número maior de moradores da região comprar imóveis como esses. O Brasil está ganhando cada vez mais espaço no segmento de luxo, expandindo-se para diversas regiões do País. “O momento expansionista é irreversível. Como parte de um mundo globalizado, o consumo e as operações de luxo não estarão mais apenas em São Paulo e Rio de Janeiro”, diz Carlos Ferreirinha, presidente da MCF Consultoria e Conhecimento. De acordo com Peter Turtzo, vice-presidente internacional da Sotheby’s International Realty, o Brasil é hoje a região com maior oportunidade do setor.

Artigo publicado no site Gestão do Luxo da FAAP 

Fechar